Como manter a constância nas práticas antiestresse?

Você é daquelas pessoas que começa uma prática na empolgação e logo vê a energia minar e a vontade ir embora? Isso acontece muito e tem acontecido cada vez mais nessa pandemia, inclusive com as práticas antiestresse, como meditação, relaxamento e atividade aeróbica, que são super importantes para o equilíbrio emocional.


Essa empolgação quando a gente começa uma atividade é normal, do mesmo jeito que perder a energia enquanto aquilo não virou um hábito também é normal. Mas para que a sua prática antiestresse seja eficiente e vire uma rotina, você vai precisar passar por esse período de oscilação e eu vou te ajudar com estratégias para isso.


QUAL A DIFERENÇA ENTRE MOTIVAÇÃO E EMPOLGAÇÃO?


Empolgação é aquela energia inicial que pode existir quando você está motivado. É um imput de começar, de fazer, de colocar todo o foco disponível em alguma coisa.


Já a motivação tem por trás um objetivo, um propósito. É um motivo para a ação. Será que você sabe porque está fazendo aquela prática antiestresse?


AS PRÁTICAS ANTIESTRESSE

As práticas antiestresse equilibram o seu estado porque o estresse não é de todo ruim. Ele tem a função de trazer pra você a saída de um lugar de conforto para um lugar mais próspero e forte.


Mas quando esse estresse está fora de controle, a cabeça fica cheia e isso pode levar a doenças ligadas a ansiedade, depressão ou até mesmo dores de cabeça e tensões.


As práticas antiestresse vão equilibrar o turbilhão de informações, metas, tarefas e distribuir essa energia para o corpo. Mesmo que seja uma energia de preocupação, a gente consegue direcionar e tirar essa intensidade da cabeça.


IMPORTANTE: A prática antiestresse vai fazer com que você elimine toda sua preocupação? Não, mas ela vai fazer com que sua preocupação tenha o tamanho que tem que ter.

Então, você precisa de empolgação pra começar e da motivação pra continuar.


QUAIS SÃO AS ESTRATÉGIAS PARA SE MANTER MOTIVADO?


1. Saiba o motivo: nem sempre você vai estar com vontade de meditar ou relaxar. Você vai ter preguiça. Você mantém a motivação quando sabe porque está fazendo aquilo. A dica é ter bem claro na sua cabeça, ou até deixar escrito em algum lugar, qual a transformação que você quer com aquela prática. Por exemplo: “Meditação para reduzir os picos de ansiedade”, “Meditação para emagrecer porque vou comer menos por impulso”. Coloque o motivo da sua ação para que você não tire a energia daquele processo.


2. Encontre uma tribo: estar junto a um grupo gera uma energia de motivação. Por exemplo: você saber que várias pessoas vão sentar juntas em um determinado horário para meditar ajuda a não perder a energia do processo. A motivação está ligada também a você estar ligado a uma tribo que vibra parecido com você.


3. Conheça a importância da prática: Quais os reais benefícios da meditação e do relaxamento? Como eles agem no seu corpo? Quando eu educo pessoas para entender porque precisam tomar uma atitude fica mais fácil para ela, que passa a ter o discernimento para fazer escolhas.


4. Mantenha o ritmo, mas seja gentil com você: Não é fácil incorporar um hábito porque você vai lutar com o seu processo automático. Então, se não vier aquela vontade louca de fazer um relaxamento, entenda que aquilo ainda não é automático e seja gentil com você, mas NÃO CEDA. É hora de se lembrar do motivo da ação. Antes de um mês incorporado um novo hábito, você não vê resultado. Então, é preciso ter fé no processo. Vai seguindo, seguindo e entendendo que o motivo vai trazer pra você, talvez a longo prazo, os benefícios.


5. Busque um mentor: é importante ter um mentor que te impulsione, tenha uma linguagem que facilite e ajude. Ele pode te guiar nas meditações no início do processo, te ajudar a fazer um relaxamento que descontraia o corpo e te ajude a equilibrar aquilo que viveu durante o dia.


Conheça a Mentoria da Prática Integral!